Dicas para quem enfrenta a dependência química manter a sobriedade - Psicólogo Ivanildo de Andrade - Consultório de Psicologia em São Paulo

Home


Dicas para quem enfrenta a dependência química manter a sobriedade

Dicas para quem enfrenta a dependência química manter a sobriedade

Neste artigo, procurei ser objetivo e listar dicas simples e básicas para a manutenção da sobriedade de quem passa pela doença da dependência química e está em recuperação recente.

 

Mudança de hábitos para enfrentar a dependência química:

  • Evitar amizades que consumiam drogas e álcool junto com você e que ainda persistem no uso. No início do tratamento é mais difícil dizer não quando lhe oferecerem a droga ou a bebida alcoólica,
  • Evitar os ambientes que frequentava e nos quais consumia álcool ou droga. Evitar baladas, danceterias, “sambão”, pancadões, viagens para lugares onde o consumo acontecia, festas com amigos dos tempos de uso, bares etc.;
  • Não ir a quadras e campos de futebol. Bater “aquela bolinha” e “beber uma cervejinha” são apenas justificativas para o consumo de drogas (maconha e cocaína) e de bebidas alcoólicas, prática esta bastante comuns nestes locais. Ex: Muitos dependentes vão nestes locais e só voltam para casa no dia seguinte, pois é lá que começam o uso, ou da droga ou do álcool e, diferentemente de quem não é dependente, não conseguem ficar só na “desinibição social” e são levados a um processo de uso e abuso compulsivo, perdendo assim o controle de suas ações.
  • Evitar por um determinado período retomar atividades como estudo e trabalho evitando assim situações ainda complicadas de serem administradas emocionalmente pelo dependente químico. Ex: “happy hour” de fim de expediente; idas nos botecos ao redor de escolas e faculdades para o jogo de truco; encontrar amigos antes, durante e depois das aulas nestes bares.
  • Evitar ir a festas ou eventos sociais onde a bebida alcoólica seja distribuída gratuitamente. Ex: Festas de fim de ano das empresas, aniversários (mesmo em festas infantis existe uma grande quantidade de bebidas alcoólicas servidas entre os convidados), casamentos, churrascos em casa de amigos ou parentes etc.

Estas orientações podem parecer radicais, mas muitas vezes existe uma “boa intenção” das pessoas em querer socializar o dependente. O que deve ficar claro é que o dependente em abstinência recente está doente e precisa tomar os cuidados necessários para a sua plena recuperação, estando ciente que este processo é complexo e que exige disciplina.